Mudanças no estilo de vida podem melhorar a anti-hipertensão, aponta a pesquisa

/

A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que existam 1,28 bilhão de adultos no mundo, entre 30 e 79 anos, que sofrem de pressão alta ou hipertensão. Com o tempo, a pressão alta pode danificar vasos sanguíneos e órgãos e causar eventos potencialmente fatais, como derrames e ataques cardíacos. Existem vários medicamentos que podem controlar a hipertensão. No entanto, cerca de 20% das pessoas com esta doença são resistentes aos medicamentos, o que significa que estes medicamentos não reduzem a pressão arterial para níveis saudáveis.

Em comparação com pessoas com hipertensão tratável, a hipertensão refratária está associada a um risco aumentado de lesão de órgãos e um risco 50% aumentado de eventos cardiovasculares adversos. Algumas evidências preliminares sugerem que a dieta e os exercícios físicos podem reduzir a pressão arterial em pacientes com hipertensão intratável.

No entanto, até o momento, faltam pesquisas de alta qualidade. Em um estudo recente, pesquisadores da Duke University School of Medicine em Durham, EUA, conduziram um ensaio clínico randomizado chamado “Triunfo por meio de mudanças no estilo de vida para promover a saúde” (Triumph) para testar a ligação entre mudanças no estilo de vida e hipertensão intratável. A pesquisa foi publicada na revista “Circulation”.

Eles investigaram se uma combinação de quatro meses de dieta e exercícios em um ambiente de reabilitação cardíaca afetaria a redução da pressão arterial em comparação com um único currículo educacional que fornece a mesma prescrição de estilo de vida.

Os pesquisadores disseram que os resultados do estudo mostram que as mudanças no estilo de vida em pacientes com hipertensão intratável podem permitir que eles percam peso e aumentem a atividade física, diminuindo assim a pressão arterial e possivelmente reduzindo o risco de doenças cardíacas ou derrames devido à hipertensão.

Teste aleatório

Os pesquisadores recrutaram 140 pacientes com hipertensão intratável, com idade média de 63 anos. No geral, 48% dos pacientes eram mulheres, 59% eram negros, 31% tinham diabetes e 21% tinham doença renal crônica. Todos os participantes tinham um índice de massa corporal (IMC) de 25 kg por metro quadrado ou superior no início do estudo e não praticavam regularmente atividades físicas moderadas ou vigorosas. Em média, eles tomaram 3,5 medicamentos prescritos para baixar a pressão arterial.

Os pesquisadores dividiram aleatoriamente os participantes em um dos dois grupos de tratamento de quatro meses. O primeiro teve 90 participantes, e eles receberam instruções de um nutricionista sobre a dieta Dash e redução da ingestão de calorias e sódio. Dash Diet é um plano de dieta flexível que reduz a ingestão de açúcar e gordura saturada e aumenta a ingestão de vegetais, frutas, grãos inteiros, peixes, aves e vegetais.

Os participantes do primeiro grupo se exercitam 3 vezes por semana em uma instalação de reabilitação cardíaca por 30 a 45 minutos cada vez e recebem aconselhamento em grupo uma vez por semana para apoiá-los na mudança de seu estilo de vida. O segundo grupo consistiu de 50 participantes, que receberam um curso de educação sobre controle da pressão arterial de uma hora ministrado por um educador de saúde e uma apostila com uma dieta personalizada e um plano de exercícios.

O folheto inclui informações sobre a dieta Dash, restrição calórica e o mesmo plano de exercícios do outro grupo.

Os pesquisadores registraram a pressão arterial dos participantes antes, durante e após a intervenção de quatro meses. Eles também monitoraram a dieta, o peso e a saúde cardiovascular de todos e os encorajaram a continuar tomando quaisquer medicamentos pré-existentes para hipertensão, conforme orientado por seus médicos durante o ensaio.

Após o programa de quatro meses, a pressão arterial sistólica de repouso no grupo de supervisão caiu 12 pontos, enquanto o grupo autodirigido caiu 7 pontos. A pressão sistólica se refere à pressão que o sangue exerce nas paredes das artérias quando o coração bate. A leitura da pressão arterial sistólica de 24 horas do grupo de supervisão também caiu 7 pontos, enquanto a leitura da pressão arterial de 24 horas do grupo autoguiado não mudou.

Os participantes do grupo supervisionado também tiveram um bom desempenho em outros marcadores. Durante o estudo, eles perderam uma média de 7 libras, enquanto o grupo autodirigido perdeu 4 libras. Em comparação com 3,4% no grupo de controle, o consumo de oxigênio também aumentou 14,8%. O aumento do consumo de oxigênio é um indicador positivo da função cardiopulmonar.

Estilo de vida

Cientistas demonstraram que mudanças no estilo de vida durante o estudo, como redução da ingestão de sal, perda de peso e exercícios, podem reduzir a pressão arterial. No entanto, qual desempenhou o papel mais importante neste resultado ainda não está claro.

Eles reconheceram que não foram capazes de determinar quais aspectos das intervenções desempenharam um papel importante na redução da pressão arterial, melhorando a aptidão aeróbica, reduzindo o peso, aumentando a ingestão de certos nutrientes no plano alimentar Dash, limitando o sal ou outras intervenções.

Os pesquisadores concluíram que em um ambiente de reabilitação cardíaca, com o auxílio de uma equipe de profissionais de saúde multidisciplinares, as pessoas podem fazer melhores mudanças no estilo de vida. Embora algumas pessoas possam fazer mudanças por conta própria, um plano estruturado de exercícios supervisionados e ajustes dietéticos conduzido por uma equipe multidisciplinar de médicos, psicólogos, nutricionistas e fisioterapeutas / fisiologistas do exercício no programa de reabilitação cardíaca pode ser mais eficaz.

Limite

Os pesquisadores apontaram que apenas cinco participantes do estudo tinham pressão arterial sistólica superior a 160 mmHg. Portanto, a eficácia das intervenções no estilo de vida para pacientes com hipertensão mais grave permanece incerta. Isso pode ser porque a limitação de muitos desses estudos reside na sua universalidade.

Porém, mesmo assim, neste caso, as minorias étnicas e o gênero estão bem representados. Mas o ambiente geral é semelhante, o que precisa ser replicado em outras regiões geográficas e culturais.

Para os cientistas, outra limitação óbvia é que a pesquisa não foi projetada para responder à medicina ou nutrição de precisão. Portanto, embora esses métodos tenham se mostrado benéficos para o grupo que recebe a intervenção mais forte, este estudo não revela quem se beneficia e quem não.

Próxima Etapa

Os pesquisadores admitem que todos os pacientes hipertensos devem seguir uma dieta adequada e recomendações de exercícios, mas é difícil fazê-lo. Isso ocorre porque as mudanças no estilo de vida nem mesmo são suficientes para tratar a simples hipertensão.

Os resultados do estudo Triumph indicam que os formuladores de políticas devem considerar a hipertensão refratária como uma nova indicação para reabilitação cardíaca e ser adequadamente coberta por agências governamentais e seguradoras privadas. Outro ponto importante é que também é necessário determinar se essas mudanças no estilo de vida podem ser sustentadas – caso contrário, os pacientes podem precisar “melhorar” o tratamento para garantir que possam manter escolhas saudáveis ​​ao longo do tempo.

Fonte: MedicalNewsToday

 

  • Facebook
  • Twitter
  • Linkedin
  • Pinterest
This div height required for enabling the sticky sidebar
Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views :